29 de Abril – BLOG ESPORTE – FALTAM 100 DIAS PARA OLIMPÍADAS

A 100 dias das Olimpíadas, política prevalece sobre o esporte na China

A 100 dias da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim, a China ainda lida com mais problemas de cunho político do que com o interesse esportivo gerado pelas Olimpíadas. O maior expoente desse fenômeno é o trajeto da tocha olímpica ao redor do planeta, que ganha manchetes diariamente por protestos de manifestantes pró-Tibete ou contra Darfur, no Sudão.
Na próxima quarta-feira, um coral de 100 pessoas vai cantar a música “Pequim te recebe”, composta especialmente para comemorar os 100 dias finais do revezamento da chama olímpica. A data será celebrada com um concerto em Pequim, mas pelo mundo ninguém esquecerá a crise política.
O problema do Tibete, por exemplo, está sendo discutido mundialmente, gerando um movimento de oposição aos Jogos Olímpicos, contra sua realização e pedindo boicotes. Personalidades políticas mundiais, como o presidente da França Nicolas Sarkozy, que será o mandatário da União Européia na época dos Jogos, já falaram sobre boicotar a cerimônia de abertura dos Jogos, como forma de protestar contra a questão tibetana.
Até agora, o principal incidente no trajeto da tocha aconteceu em Paris, na França, com protestos e prisões. Após os problemas, o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge, confirmou que a entidade estava tratando o assunto como crise.
Segundo o historiador Patrick Clastres, especialista em Olimpíadas, a “crise é muito profunda porque questiona os valores do olimpismo e mostra a incapacidade do COI em ter qualquer tipo de influência sobre os questões de direitos humanos”, ao contrário do que a entidade prometeu em 2001, quando escolheu Pequim como sede olímpica.
Outro historiador, Philippe Tetart, afirma que “nunca antes o olimpismo tinha chegado ao ponto em que as considerações políticas ocultam totalmente os acontecimentos esportivos”. “A crise tibetana não é nada mais que a revelação de uma prática antiga e arraigada”. Segundo ele, levar as Olimpíadas para a China foi uma “transgressão aos mais elementares princípios da carta olímpica”.
Rogge, porém, ignorou os alertas e pediu que as potências ocidentais parem de questionar a China sobre infrações aos direitos humanos para que os chineses possam, enfim, levar a cabo suas reformas. “A sociedade ocidental levou 200 anos para evoluir após a Revolução Francesa. A China começou esse processo em 1949 (com a revolução comunista). Os Jogos Olímpico já exerceram uma influência positiva sobre a evolução da sociedade chinesa. Os próprios chineses admitem isso”.
Os historiadores, porém, lembram que o discurso chinês de “não misturar esporte com política” esbarra em ações da própria China no passado. “Foram eles os primeiros a boicotar os jogos Olímpicos, em Melbourne-1956 (protestando contra a participação de Taiwan). Eles são pioneiros no uso dos Jogos Olímpicos com fins políticos”, explica Clastres.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: