28 de Maio – DEPRESSÃO EM CRIANÇAS

Depressão atinge cerca de 5% das crianças em fase escolar 
Estudos mostram que a freqüência da associação TDAH com Transtorno Depressivo Infantil é de 14%
Cuidados que ajudam a evitar quadros depressivos – clique aqui
“Diagnóstico da depressão é mais difícil nas crianças, pois os sintomas podem ser confundidos com birra ou falta de educação, mau humor e agressividade. Mesmo assim, alguns comportamentos ajudam a indicar que uma criança possa estar deprimida” A depressão, um transtorno que muita gente acha que só atinge jovens e adultos, pode acarretar diversos problemas no aprendizado da criança e influenciar no seu desenvolvimento e comportamento durante a adolescência e a fase adulta. Além disso, muitas vezes está associada ao TDAH – Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade – presente em cerca de 5% a 13% da população infantil. 
Cerca de 14% das crianças com TDAH apresentam depressão, segundo mostram estudos realizados aqui no Brasil. “Se levarmos em conta a possibilidade de ocorrência de um episódio depressivo ao longo da vida da criança com TDAH essa porcentagem é absurdamente maior. A conseqüência dessa associação do TDAH com a depressão na infância e adolescência é o agravamento de ambos os transtornos e menor eficácia do tratamento instituído”, diz o neurologista de infância e adolescência Marco Arruda.
É difícil diagnosticar depressão em crianças
Numerosos fatores atuam no desencadeamento da depressão, como genéticos, químicos cerebrais e ambientais. Desde bem cedo a depressão pode se manifestar na infância, até mesmo em crianças pré-escolares, com menos de seis anos de idade. Nessa idade, ela ocorre em uma de cada 100 crianças da população geral. Na fase escolar, entre duas e quatro de 100 e em adolescentes, em torno de cinco a oito. “Para atenção dos pais, a depressão na infância ocorre na mesma freqüência em ambos os sexos, mas a partir da adolescência até a vida adulta ela é mais freqüente no sexo feminino”, alerta Dr. Arruda.
O diagnóstico da depressão é mais difícil nas crianças, pois os sintomas podem ser confundidos com birra ou falta de educação, mau humor e agressividade. Mesmo assim, alguns comportamentos ajudam a indicar que uma criança possa estar deprimida.
Sintomas
Os principais sintomas são: tristeza, negativismo, irritabilidade, falta de iniciativa e perda do interesse por coisas que anteriormente essa criança ou adolescente gostava. Muitas vezes associam-se sintomas físicos como cansaço, fadiga, dor de cabeça e alterações do sono e do apetite.
Depressão e desempenho escolar
As repercussões na escola são prontamente observadas na depressão infantil, a criança fica mais lenta e desatenta, cai o desempenho e surgem conflitos em decorrência de mudanças bruscas do humor (como explosões de raiva) ou tendência ao isolamento social. Outra manifestação bastante freqüente é o sentimento de menos valia, de baixa auto-estima, seja em relação aos cuidados pessoais ou a confiança em si próprio. Nos casos graves pode chegar a provocar comportamentos de risco (sexo, drogas e direção perigosa de automóveis) e até atos suicidas.
“Apesar dos melhores resultados do tratamento da depressão na infância, quando comparada com outras fases da vida, sabe-se que a sua ocorrência nessa fase etária precoce anuncia a grande chance de recorrência do mesmo quadro na vida adulta, por isso, pais e professores precisam ficar atentos para os sintomas da depressão na infância e adolescência, pois muitas vezes são diferentes daqueles apresentados pelo adulto ou pela pessoa idosa. Precisam de orientação adequada para que superem os medos e preconceitos sobre esse problema. Só assim estarão capacitados a identificar precocemente o quadro, encaminhar a criança para uma avaliação e tratamento especializado, bem como auxiliar consideravelmente no tratamento deste freqüente transtorno mental”, afirma o médico.
Cuidados que ajudam a evitar quadros depressivos
Embora não exista uma receita para evitar quadros depressivos e os aspectos genéticos ainda não possam ser modificados no sentido de prevenir a depressão, alguns cuidados na educação dos filhos são bastante úteis:
a) Eduque seus filhos para a resiliência. O termo vem da física e significa a capacidade de um corpo sofrer deformação em resposta a um impacto e voltar ao seu estado original, dessa forma a borracha é altamente resiliente e o aço não. A criança resiliente é capaz de sofrer impactos de eventos ocorridos na vida e não se deformar. Ela é pró-ativa, otimista, tolera bem as frustrações e sabe adiar recompensas.
b) Eduque seus filhos para a autonomia com um forte senso de identidade e auto-estima positiva. Procure desenvolver nele independência e capacidade de autocontrole.
c) Eduque seus filhos para que tenham competência social. Para isso precisam ser flexíveis, sensíveis, atenciosos e com habilidade para demonstrar suas emoções e bom humor.
d) Eduque seus filhos para que tenham competência para resolver problemas. Para isso precisam saber pensar de forma crítica, elaborar alternativas buscando soluções para suas necessidades, bem como buscar ajuda quando não conseguem encontrar uma solução.
e) Procure intensamente a harmonia e o otimismo no ambiente familiar, isso irá colaborar muito com os aspectos relacionados acima.
f) Procure estar sempre bastante envolvido com os seus filhos, só assim poderá ter empatia com ele, ou seja, se colocar nos sapatos dele e poder entender seus desafios, incertezas, pensamentos e comportamentos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: