18 de Junho – CUIDADOS COM A SAÚDE NO INVERNO

Bronquiolite – Quando o ar não passa

Essa doença ataca os pulmões e prejudica a respiração das crianças, principalmente nos dois primeiros anos de vida. Fique de olho: é no inverno que o mal aparece com mais freqüência.
Por Regina Célia Pereira
O nariz começa a escorrer, surge uma febre baixa e, para piorar, acompanhada de uma tossinha teimosa justamente na hora em que o pequeno pega no sono. Os sintomas até aqui são idênticos aos de uma gripe. Só que, além desses sinais, algo chama a atenção: um ruído semelhante a um miado. Quando esse quadro se instala, são grandes as chances de o problema atender pelo nome de bronquiolite. “Essa é a primeira causa de internação entre os lactentes”, diz a pediatra Sandra Vieira, professora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. E é bem agora, durante a temporada de dias frios — mais precisamente entre abril e setembro —, que a incidência de casos tende a aumentar.
Tudo por culpa do vírus sincicial respiratório (VSR). “Ele é o principal agente causador de bronquiolite”, afirma José Dirceu Ribeiro, presidente do departamento de pneumologia da Sociedade Brasileira de Pediatria e professor da Universidade Estadual de Campinas, no interior de São Paulo. Ribeiro conta que, embora a maioria das crianças, mais dia, menos dia, acabe mesmo entrando em contato com o VSR, nem todas desenvolvem a doença. “Quanto mais nova ela for, maior a suscetibilidade, já que o sistema imunológico ainda não está amadurecido o suficiente”, explica o pediatra Cid Pinheiro, do Hospital e Maternidade São Luiz, na capital paulista.
Não à toa, é nos primeiros meses de vida que o VSR entra em ação, comprometendo as trocas de oxigênio e gás carbônico e prejudicando a respiração. Após os 2 anos de idade, o vírus quase sempre se limita a causar resfriados, ou seja, não chega a penetrar na estrutura pulmonar.
Durante o inverno, resguardar as crianças não significa confiná-las. Aliás, isso só favorece a “estação da bronquiolite”, que é como o pediatra Gilberto Petty, professor do setor de pneumologia da Universidade Federal de São Paulo, se refere à alta incidência de casos nesta época do ano. “É importante ventilar os ambientes”, indica. Outra medida prosaica, mas que afasta pra valer a doença, é caprichar na limpeza das mãos, principalmente depois de chegar da rua. “Quem tem bebê deve abusar de água e sabão e completar a higiene com álcool a 70º”, recomenda José Dirceu Ribeiro, da Unicamp.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: