30 de Setembro – LULA É SÓ ALEGRIA: O POVO SABE O QUE QUER

setembro 30, 2008

Lula atinge aprovação recorde de 80% em pesquisa

 

Levantamento CNI/Ibope aponta 69% de aprovação ao governo. Somente 8% consideram governo ruim ou péssimo

 

A pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta segunda-feira (29) registrou o novo recorde de avaliação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele atingiu 80% de aprovação de sua atuação como presidente, sendo que, no Nordeste, este índice chega a 92%. O índice de confiança no presidente chegou a 73%, enquanto o governo Lula também atinge alto grau de aprovação: 69%. O Ibope ouviu 2002 eleitores em 141 municípios do país entre os dias 19 e 22 de setembro. A pesquisa tem margem de erro de 2%.

A aprovação ao presidente alcançou 80% neste mês após ter registrado 72% em junho. Além do excelente desempenho no Nordeste, Lula registra alta aprovação entre os que recebem até um salário mínimo: 87%. Nas faixas de maior renda, o resultado positivo é menor, mas, mesmo assim, a maioria aprova Lula: 56%. Entre todos os pesquisados, apenas 17% desaprovam a atuação do presidente.

 

63% já escolheram candidato a prefeito; 30% só definem na última hora

O índice de confiança no presidente também está em ascensão. Ele atingiu 73% de índice de confiança, após ter registrado 68 em junho. Na série histórica, é o melhor resultado do presidente desde 2003, quando chegou a registrar 80% em março.

O governo, por sua vez, atingiu sua melhor avaliação desde a posse, com os 69%. Para 23% dos pesquisados, a administração Lula é regular, e somente 8% classificam como ruim ou péssima. Na série histórica do Ibope, a avaliação só perde para o governo do ex-presidente e atual senador José Sarney (PMDB-AP), que registrou aprovação de 72%, em setembro de 1986.

A nota média do governo Lula também bateu recorde desde a posse. Os brasileiros deram nota 7,4 para o presidente em uma escala de zero a 10. Em março, Lula recebeu nota 7.

Em uma comparação entre as duas administrações do presidente, 48% acham que o segundo mandato é melhor, e apenas 11% enxergam piora. Para 39%, as duas administrações são iguais.

Anúncios

30 de Setembro – SE LIGA NO CALENDÁRIO ELEITORAL

setembro 30, 2008

30 setembro

Data a partir da qual e até 48 horas depois do encerramento da eleição, nenhum eleitor poderá ser preso ou detido, salvo em flagrante delito, ou em virtude de sentença criminal condenatória por crime inafiançável, ou, ainda, por desrespeito a salvo-conduto (Código Eleitoral, art. 236, caput ).

Último dia para os partidos políticos e coligações indicarem aos juízes eleitorais representantes para o Comitê Interpartidário de Fiscalização, bem como os nomes das pessoas autorizadas a expedir as credenciais para fiscais e delegados (Lei nº 9.504/97, art. 65).

 

02 de Outubro

Data a partir da qual o juiz eleitoral ou o presidente da mesa receptora poderá expedir salvo-conduto em favor de eleitor que sofrer violência moral ou física na sua liberdade de votar (Código Eleitoral, art. 235).

Último dia para a divulgação da propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão (Lei nº 9.504/97, art. 47, caput ).

Último dia para propaganda política mediante reuniões públicas ou promoção de comícios e utilização de aparelhagem de sonorização fixa, entre as 8 horas e as 24 horas (Código Eleitoral, art. 240, parágrafo único e Lei nº 9.504/97, art. 39, §4º e §5º, I).

Último dia para a realização de debates (Resolução nº 22.452, de 17.10.2006).

Último dia para o juiz eleitoral remeter ao presidente da mesa receptora o material destinado à votação (Código Eleitoral, art. 133).

 

03 de Outubro

Último dia para a divulgação paga, na imprensa escrita, de propaganda eleitoral, no espaço máximo, por edição, para cada candidato, partido político ou coligação, de um oitavo de página de jornal padrão e um quarto de página de revista ou tablóide (Lei nº 9.504/97, art. 43, caput ).

Último dia para propaganda eleitoral em páginas institucionais na Internet (Resolução nº 22.460, de 26.10.2006).

Data em que o presidente da mesa receptora que não tiver recebido o material destinado à votação deverá diligenciar para o seu recebimento (Código Eleitoral, art. 133, § 2º).

 

04 de Outubro

Último dia para entrega da segunda via do título eleitoral (Código Eleitoral, art. 69, parágrafo único).

Último dia para a propaganda eleitoral mediante alto-falantes ou amplificadores de som, entre as 8 horas e as 22 horas (Lei nº 9.504/97, art. 39, § 3º e § 5º, I).

Último dia para a promoção de carreata e distribuição de material de propaganda política (Lei nº 9.504/97, art. 39, § 5º, I e III).

 

05 de Outubro

DIA DAS ELEIÇÕES !!!

30 de Setembro – CARÊNCIA = GRAVIDEZ

setembro 30, 2008

Crescem casos de gravidez entre jovens carentes

 

Apesar de o sistema público de saúde oferecer métodos anticoncepcionais, em alguns casos com pílula do dia seguinte e distribuição de preservativo nas escolas, adolescentes brasileiras, principalmente as mais pobres e menos escolarizadas, continuam engravidando precocemente. Para elas, ter um filho é uma maneira de chamar a atenção e mudar de vida. “Para essas jovens, a gravidez é um projeto de vida”, diz Theresa de Lamare, coordenadora da área de Saúde do Adolescente do Ministério da Saúde.

 

Nos últimos anos, pesquisadores têm alertado para um “rejuvenescimento” da fecundidade no País, isto é, em um período de queda na taxa de fertilidade geral, houve uma concentração de gravidez de garotas entre 15 e 19 anos – aumentou três vezes desde a década de 1970. A maioria dos casos ocorreu na camada mais pobre, mostra estudo inédito feito com dados dos Censos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O Ministério da Saúde destaca que, com a queda de gravidez em geral, as adolescentes têm representado uma maior fatia do total.

 

Na última semana, marcada pelo Dia Mundial da Prevenção da Gravidez na Adolescência, a Síntese de Indicadores Sociais, do IBGE, mostrou que a proporção de jovens de 15 a 17 anos com filhos estava em 6,3% em 2007, patamar semelhante ao de 1997. Esse índice, porém, trabalha com a população estimada.

Ainda segundo dados do ministério, 40% das adolescentes que dão à luz voltam a engravidar em até três anos, em um cenário que envolve, mais do que informação e acesso a anticoncepcionais, conscientização e expectativas de vida. Segundo Maria Luisa Heilborn, coordenadora do Centro Latino-Americano em Sexualidade e Direitos Humanos (Clam), 40% das meninas que engravidaram já estavam fora da escola. “Ela reproduz o modelo de ser dona de casa, onde ter um filho é uma realização.”

 

Ou seja, para jovens que saíram da escola e não conseguem visualizar um futuro, ser mãe representa importante estratégia de conquista de autonomia em relação à família e uma forma de realização. Nessa situação, permanecer estudando parece ser um antídoto contra gestações. “É preciso entender que grupos sociais são muito diferentes em relação à maternidade. Nas classes baixas, a família fica feliz quando aparece um bebê. Na classe média, ou a menina aborta ou a família tenta assumir e ajudar a menina a estudar”, explica a pesquisadora, que enfatiza a necessidade de campanhas e projetos entenderem essa lógica.

“Pais e sociedade precisam entender que a sexualidade do jovem existe. Enquanto negarem isso ou pregarem a abstinência, continuarão com uma visão ingênua”, diz Maria Helena Vilella, do Instituto Kaplan, que desenvolveu projeto para escolas públicas.

30 de Setembro – BAFÔMETRO GAME?

setembro 30, 2008

Polícia italiana usa videogame no lugar de bafômetro

 

A polícia italiana está usando um videogame para verificar se motoristas estão drogados e alcoolizados. O aparelho está sendo testado em algumas cidades italianas e chega para substituir o velho bafômetro usado em blitzes normais no país.

O videogame DeeDee é o resultado de 15 anos de pesquisa neurológica e cibernética de cientistas italianos

O videogame DeeDee, desenvolvido por cientistas italianos, é composto de um joystick e de uma tela de computador. As imagens criadas por um programa especial simulam situações de trânsito. A alavanca única reúne os controles de aceleração e frenagem de um carro virtual pilotado pelo motorista.

 

O DeeDee é o resultado de 15 anos de pesquisa neurológica e cibernética da equipe do engenheiro Alberto Rovetta, professor do laboratório de robótica do departamento de engenharia mecânica do Politécnico de Milão.

O método é bem mais prático e barato do que os bafômetros – além de ser menos agressivo psicologicamente – e poderá, após ser comercializado, ser disponibilizado em bares, restaurantes e para uso privado.

85% de acerto

A operação completa para identificar um motorista alcoolizado ou drogado dura cerca de um minuto. Um carro vermelho, uma rua cinza, um muro e um sinal de trânsito aparecem na tela.

O motorista, em pé no acostamento da estrada ou na calçada, deve seguir as instruções do semáforo virtual, movimentar o carro e pará-lo antes de bater na parede. Parece fácil, mas para quem bebeu além da conta ou se drogou a manobra elementar se torna quase uma missão impossível.

“O aparelho é capaz de medir a reação nervosa da pessoa. O nível desta reação recomenda ou não um exame clínico para constatar as causas. O índice de acerto é em torno de 85% se comparado com o método tradicional, mas queremos chegar aos 90%. Mais do que isso, eu acho que é difícil, pois é impossível adivinhar a natureza humana”, diz o professor Alberto Rovetta à BBC Brasil.

O tempo de reação, a velocidade dos dedos, a destreza dos movimentos e o tremor das pontas dos dedos são analisados por quatro nano-sensores localizados dentro do joystick.

Eles foram criados para decifrar o mecanismo de resposta do cérebro ao impulso do videogame e levam 5 milésimos de segundo para capturar os dados. O programa do computador recebe as informações neurológicas, faz os cálculos e apresenta o diagnóstico.

O resultado do teste de direção aparece na hora. O sinal verde indica a ausência de álcool ou drogas no organismo. A cor amarela revela a ingestão de drogas e de álcool. Já a luz vermelha acusa uma quantidade de álcool no sangue superior ao máximo previsto pela lei.

 

O professor Alberto Rovetta conta que em alguns testes foram detectados distúrbios psíquicos profundos. “Era um motorista que não tinha bebido e nem estava drogado, mas tinha problemas mentais. Ele sofria de esquizofrenia”, contou o pesquisador.

O projeto nasceu em 1993, sob a batuta do prêmio Nobel de Medicina, John Carew Eccles (1903-1997), especialista no estudo da fisiologia dos neurônios. Em 2000, a pesquisa ganhou financiamento da União Européia. O primeiro protótipo nasceria seis anos depois, mas o programa de computador, capaz de produzir informações mais precisas, ficou pronto apenas agora.

O Politécnico de Milão tem um acordo com polícia italiana para implantar o projeto. O videogame tem surpreendido os motoristas que deixam as discotecas de cidades como Milão, Turim, Aosta e Novara. As cidades Alessandria. Cagliari, Arezzo, Foggia e Verona estão na fila. Nesta fase inicial de testes, ele está sendo certificado e comparado ao método tradicional.

 

Álcool no trânsito

Os acidentes de trânsito causados por motoristas bêbados causam grande preocupação na Itália. Em uma amostragem com 126 mil motoristas nos primeiros seis meses deste ano, 12.756 testaram positivo para álcool.

No mesmo período, foram registrados 764 mortes, dos quais 296 tinham menos de 30 anos de idade. No ano passado, 40 mil carteiras de motorista foram suspensas.

 

A partir da semana passada todos os bares e restaurantes que vendem bebidas alcoólicas deverão exibir na porta uma tabela que explica a relação entre um copo de vinho ou de cerveja e a taxa de álcool no sangue.

A planilha leva em consideração as variáveis como o peso da pessoa, o sexo e a quantidade de comida ingerida. Pela lei italiana, uma pessoa pode dirigir com até 0,50 gramas de etanol por litro de sangue. Este limite é superado por um homem de setenta quilos que toma uma cerveja sem ter se alimentado antes.

30 de Setembro – VAMOS MALHAR

setembro 30, 2008

Corrida emagrece mais do que jogar futebol, diz especialista

 

São Paulo – Uma das melhores formas de perder peso é aliar dieta equilibrada a exercício físico. E a prática regular da corrida é um dos melhores e mais práticos exercícios se o objetivo é esse.

Segundo o personal trainer Dudu Rodrigues, a corrida, por ser um exercício baseado na repetição de movimentos, é mais eficaz para queimar calorias do que esportes como futebol.

 

“Todo movimento cíclico, como os praticados na natação, corrida e caminhada, é vantajoso. No futebol, por exemplo, você muda o padrão de esforço e movimento. O ritmo de freqüência cardíaca sobe ao máximo e cai em pouco tempo.”

Comparada à natação, a corrida tem a vantagem de ser mais prática. Em relação à caminhada, ganha no gasto calórico. “Para queimar o mesmo número de calorias, a pessoa tem de andar o dobro do tempo que se tivesse correndo.”

 

Ele explica que quem corre, pratica pequenos saltos, com impulsos dados por cada perna separadamente. O movimento exige maior força dos músculos, que necessitam de mais calorias que num passo normal. Para oxigenar os músculos, o sistema respiratório tem de trabalhar mais rápido. O coração, por sua vez, leva mais oxigênio aos músculos – e também funciona com mais intensidade. “O corpo todo trabalha mais”, frisa ele.

 

O especialista diz que correr é mais eficaz que caminhada. Entretanto, isso não quer dizer que qualquer um que queira eliminar o “pneu” possa correr. É preciso uma avaliação médica. Se alguns problemas forem detectados, o mais indicado é a caminhada.

A atenção também deve ser dada ao ritmo de batimento cardíaco. Para que o exercício tenha eficácia, o coração deve bater entre 65% e 85% da Freqüência Cardíaca Máxima (FCM). É importante também prestar atenção aos sinais de cansaço, diz Rodrigues. Não conseguir falar durante o exercício é um deles. O ideal é correr num ritmo adequado até entrar em equilíbrio metabólico. Isso pode demorar até 10 minutos. Somente após atingir esse estágio é que o corpo começa a queimar gordura, que é o objetivo inicial.

30 de Setembro – A LENDA ESTÁ DE VOLTA: QUEEN

setembro 30, 2008

Queen confirma shows no Brasil em novembro

 

Após meses de especulação, a nova encarnação do Queen, com o vocalista Paul Rodgers, confirmou oficialmente que sua turnê, originalmente restrita à Europa e América no Norte, passará também por Argentina, Chile e Brasil, entre os dias 19 e 27 de novembro. A etapa brasileira terá dois shows em São Paulo, nos dias 26 e 27.

 

É o primeiro retorno do Queen à América Latina desde que se apresentaram no primeiro Rock in Rio, em janeiro de 1985. Também é a primeira vez que a banda toca no continente sem o vocalista original Freddie mercury, morto em 1991.

O início das apresentações na América do Sul será no dia 19 de novembro, em Santiago do Chile, no estádio de San Carlos de Apoquindo. No dia 21, a banda toca em Buenos Aires, Argentinan no estádio Velez Sarsfield, mesmo local onde em março de 1981 realizaram o show histórico em que receberam no palco o jogador de futebol Diego Maradona.

 

A perna sul-americana da turnê se encerra com a passagem por São Paulo, com dois shows no Via Funchal, nos dias 26 e 27 de novembro. Os ingressos serão vendidos a partir do dia 4 de outubro.

O Brasil já foi palco de alguns dos mais significativos shows do Queen, como o do estádio do Morumbi em 1981, além do já citado Rock in Rio. Por este motivo, a banda não descarta a possibilidade de outras datas no país.

 

O vocalista Paul Rodgers, que se juntou ao guitarrista Brian May e ao baterista Roger Taylor em 2004 é um veterano do rock inglês, tendo encabeçado as bandas de hard rock Free e Bad Company, duas das mais importantes da década de 70. Ambas já foram citadas por membros do Queen como influências na sonoridade desenvolvida pelo grupo. O próprio Freddie Mercury já declarou em entrevistas que no início de sua carreira, Rodgers era um de seus vocalistas favoritos.

O Queen + Paul Rodgers, nome oficial da nova formação da banda, gravou o álbum ao vivo “Return of the Champions” em 2005 e, em 2008, seu primeiro disco de estúdio, o elogiado “The Cosmos Rocks”, que chegou ao quinto lugar das paradas britânicas.

 

A turnê e o disco não contam com o baixista original do Queen John Deacon, que se aposentou em 1997, após gravar com a banda a música “No-One But You”. A banda segue como trio, com o apoio de músicos contratados.

 

QUEEN + PAUL RODGERS EM SP

Quando: 26 e 27/11

Onde: Arena Via Funchal – Rua Funchal, 65, Vila Olímpia

Início das vendas: 4/10

Preços: Ainda não divulgados.

Informações: http://www.viafunchal.com.br

Compras pela Internet: Via Funchal.

Compras por telefone: 0/xx/11/3188-4148

29 de Setembro – PERIGO A VISTA! CELULAR E O CÂNCER.

setembro 29, 2008

Celular pode causar câncer de cérebro, aponta estudo 

  

O possível vínculo entre o uso de celulares e o câncer de cérebro é muito parecido com a relação entre o tabaco e o câncer de pulmão.

O possível vínculo entre o uso de celulares e o câncer de cérebro é muito parecido com a relação entre o tabaco e o câncer de pulmão, que a indústria do tabaco e a sociedade demoraram 50 anos a reconhecer, advertiram os cientistas americanos ante o Congresso americano.

“Não devemos repetir o que aconteceu com relação ao cigarro e o câncer de pulmão quando nossa nação esperou até afinar cada mínimo detalhe da informação antes de advertir o público”, afirmou o diretor do Instituto de Saúde e Meio Ambiente na Universidade de Albany, David Carpenter, em depoimento na Subcomissão da Câmara sobre Política Interna. “Precisamos agir com urgência”, alertou.

 

O diretor do Instituto do Câncer na Universidade de Pittsburgh, Ronald Herberman, declarou que “a maioria dos estudos que alegam que não existe um vínculo entre celulares e tumores cerebrais está desatualizada, tem problemas metodológicos e não incluiu um número suficiente de usuários de celulares em longo prazo”.

“Não posso assegurar a essa comissão que os celulares são definitivamente perigosos mas não posso, tampouco, dizer-lhes que são seguros”, afirmou Herberman.

Carpenter e Herberman também disseram à comissão que o risco de câncer cerebral pelo uso do celular é bastante maior para crianças do que para adultos.

Heberman apresentou os legisladores um modelo que mostrava como a radiação de um celular penetrava mais profundamente no cérebro de uma criança de 5 anos do que no de um adulto.

 

Apelo

“Isso é um grave problema de saúde pública. Trata-se de um apelo ao governo para que financie pesquisas e à FCC (a autoridade reguladora de telecomunicações) para que revise suas normas técnicas”, insistiu Carpenter.

Atualmente, a ciência está dividida a respeito dos efeitos biológicos dos campos magnéticos emitidos pelos telefones celulares.

 

Alerta

Um tumor no cérebro demora cerca de uma década para se desenvolver, afirmam os cientistas, e os estudos existentes classificam como uso regular a utilização de um celular apenas uma vez por semana.

Carpenter e Herberman citam trabalhos europeus, em particular da Escandinávia – berço do celular -, que mostram um vínculo entre o uso freqüente do celular e tumores benignos e cancerosos.

Uma recente pesquisa sueca, do cientista Lennart Hardell, afirma que um usuário regular tem duas vezes mais riscos de desenvolver um tumor no nervo auditivo do lado que utiliza o aparelho do que do outro lado.

Além disso, um estudo israelense determina uma alta de 50% nas possibilidades de desenvolver um câncer na glândula salival.

E, segundo um comunicado científico de setembro da Real Sociedade de Londres, os adolescentes que começaram a usar celulares antes dos 20 anos têm cinco vezes mais possibilidades de desenvolver câncer de cérebro aos 29 do que aqueles que não têm celular.

Herberman apresentou, além disso, um modelo que mostrava como a radiação de um celular penetrava mais profundamente no cérebro de um menino de 5 anos que em um adulto.

29 de Setembro – ELEIÇÕES 2008 – DENTADURA? SÓ POR DEUS!

setembro 29, 2008

Polícia Federal prende vereador por compra de voto no PR 

  

 A Polícia Federal de Cascavel prendeu em flagrante um candidato a vereador pelo PMDB de Lindoeste (Oeste do Paraná) após interrogatório na tarde deste sábado (27). Ele não teve o nome divulgado, mas teria assumido para os delegados, que estava trocando votos por dentadura. Segundo informações do Jornal Gazeta do Paraná, a PF assegurou que outros candidatos da cidade serão investigados.

 

O flagrante aconteceu depois que policiais federais apreenderam, na manhã de sábado, um ônibus com cerca de 15 eleitores, que estava em frente a uma clinica de odontologia em Cascavel. Eles receberiam os serviços em troca de voto. Os eleitores prestaram depoimento, mas não ficaram detidos por serem pessoas humildes, que não tinham muita consciência do caso, justificou a PF.

 

O candidato a vereador pode ser condenado a quatro anos e ainda ter candidatura impugnada.

29 de Setembro – LEI SECA: NOVOS HÁBITOS

setembro 29, 2008

Motoristas mudam hábitos de direção, revela enquete

 

Internautas do Portal Bonde afirmaram ter mudado conceito após a nova legislação, que prevê graves punições aos motoristas embriagados 

 

A Polícia Rodoviária Federal no Paraná registrou queda de 22% no número de mortes provocadas por acidentes nas vias que cortam o Estado.

A Polícia Rodoviária Federal no Paraná registrou queda de 22% no número de mortes provocadas por acidentes nas vias que cortam o Estado. O balanço compara os três primeiros meses da vigência da Lei Seca (julho, agosto e setembro). Foram 76 vítimas em 2007 e 59 neste ano.

 

No mesmo período, a 2ª Cia Rodoviária também registrou queda no índice de mortos – 101, em 2007, e 69 neste ano, diminuição de 31%. A Companhia é responsável por 3,1 mil quilômetros de vias do norte do Paraná. A gravidade dos acidentes nas rodovias estaduais também diminuiu – 1001 pessoas ficaram feridas em 2007; este ano, 788.

 

Para o chefe do setor de estatísticas da Polícia Rodoviária Estadual, Luiz Carlos Veríssimo, a queda no número de mortes e feridos é reflexo da chamada Lei Seca, que entrou em vigor em 20 de junho, e endureceu as penas para quem for flagrado dirigindo embriagado. “O pessoal respeitou a Lei Seca”, disse.

 

Pesquisa do Portal Bonde revela que os motoristas mudanças seus hábitos com o advento da Lei Seca. Àqueles que consomem bebidas alcoólicas, 55% dos internautas disseram que não dirigem mais depois que a Lei entrou em vigor. Entretanto, boa parte continua dirigindo embriagado – 45% dos leitores garantiram que os hábitos continuam os mesmos.

29 de Setembro – ELEIÇÕES 2008

setembro 29, 2008

29 de Setembro – FOTO DO DIA – ELEIÇÕES 2008

setembro 29, 2008

Estamos prestes a definir os representantes das nossas cidades nas Eleições 2008. Na sua cidade você tem conhecimento da pobreza? Ou você só conhece o centro?

Uma foto para você refletir:

29 de Setembro – CHARGE DO DIA

setembro 29, 2008

29 de Setembro – SAIBA SE VOCÊ É INSEGURO(A)

setembro 29, 2008

Será que você é inseguro?  

por Rosemeire Zago

 

Por que algumas pessoas sentem suas mãos suarem frio diante de uma pequena apresentação? Por qual motivo participar de uma prova, um teste, ou algo que o coloque numa posição de estar sendo observado, avaliado pode se tornar uma tortura? O que faz uma pessoa sentir um ciúme incontrolável perante a simples presença de outro ao lado da pessoa amada? O que faz com que uma pessoa se sinta insegura evitando a todo custo situações em que precisa expor suas crenças, idéias e sentimentos?

A insegurança traz como características os mais variados tipos de medo: amar, mudar, falar, solidão, e principalmente, o medo de falhar e com isso não ser aprovado e amado. A busca pelo reconhecimento e aprovação é uma busca constante na vida de uma pessoa insegura.

 

É inseguro quem não confia em si mesmo e conseqüentemente não acredita em ninguém. Na verdade, não confia em seu valor pessoal, não acredita em seu próprio potencial e capacidade de enfrentar as dificuldades e fatos da vida, o que o impulsiona a tendência de se apoiar nos outros, dependendo que alguém faça aquilo que não acredita ser capaz.

 

Por não sentir certeza em sua maneira de agir diante dos fatos, nem controle sobre os próprios sentimentos, desconfia de tudo e de todos, desenvolvendo uma necessidade crescente de controlar os atos e atitudes das pessoas que acabam por gerar muitos conflitos nos relacionamentos.

Adultos inseguros geralmente eram crianças cujos pais eram também pessoas inseguras e pelo excesso de zelo ou superproteção não as deixavam livres para errar, escolhendo pelos filhos as roupas que iriam usar, esportes que iriam praticar, brinquedos que deviam brincar, sentimentos que deviam sentir, enfim, escolhiam amigos, profissão, onde o medo sempre se sobrepunha pelo controle e autoritarismo. Crescem constantemente cedendo aos desejos dos outros, deixando que decidam por elas sem levar em conta seus gostos e preferências e quando adultos raramente se permitem ter os próprios desejos e quando os têm, podem sentir uma enorme culpa.

 

Muitas vezes a pessoa insegura desenvolve muitas máscaras como compensação. Os exemplos são muitos: pessoas que se mostram firmes, autoritárias no trabalho, que desejam controlar tudo a sua volta, querem comandar, quando na verdade estão apenas tentando ocultar sua insegurança. Outros se mostram exageradamente interessados em estarem sempre atualizados sobre todos os acontecimentos, lendo todos os jornais e revistas, assistindo a todos os telejornais e programas, para terem assunto quando na roda de amigos. Homens procuram conquistar mulheres diferentes a cada dia, mas sentem-se incapazes de conquistar aquela que amam.

Pessoas que falam compulsivamente, não dando tempo para serem questionadas, outros apenas ouvem e nem sequer conseguem pensar em expor suas próprias idéias e vontades. Os exemplos você pode encontrar em seu dia-a-dia, em si mesmo ou nos outros.

 

Atitudes de quem é inseguro

 

Abaixo seguem algumas características de quem tem a insegurança como companheira:

– Dificuldade em dizer o que pensam;

– Evitam o olhar;

– Não pedem o que querem;

– Evitam expressar seus sentimentos, idéias, crenças e vontades;

– Não correm riscos para buscar aquilo em que acreditam;

– Sentem medo constantemente;

– Necessidade constante de aprovação, reconhecimento e elogios;

– Carência e dependência excessiva;

– Supervaloriza as necessidades do outro e desvaloriza as próprias necessidades;

– Adiam para o dia seguinte seus compromissos.

 

Como estamos sempre lançando mão de mecanismos de defesa, entre eles a compensação, muitas pessoas inseguras passam despercebidas pelos outros, podendo se mostrar alegres, constantemente contando piadas, com o simples intuito de ocultar suas verdadeiras dificuldades. É evidente que isso não quer dizer que toda pessoa que conte piada é uma pessoa insegura, mas que pessoas inseguras buscam disfarçar suas inseguranças.

 

A sensação de vazio, tão comum nos dias de hoje, e onde sempre se busca algo ou alguém que preencha esse enorme buraco, pode desenvolver uma carência absurda por afeto e demonstrações de amor, podendo transformar a necessidade natural de amor em uma necessidade patológica por ser amado. E toda carência em geral leva à dependência.

Podemos não depender de alguém para nossas necessidades básicas, mas dependemos da aprovação, do reconhecimento, do amor do outro, como se fosse nosso principal alimento de subsistência. E quando percebemos que podemos perder a fonte que nos alimenta, o verdadeiro desespero acontece. O desespero toma conta em situações que percebemos correr o risco da perda, seja do que for ou de quem for, quando sentimos que não somos aceitos em nossa maneira genuína de ser, pois raramente o inseguro é ele mesmo, pois está sempre escondido por trás de suas máscaras de proteção. É preciso ter o cuidado em não confundir fragilidade, sensibilidade, com insegurança.

 

Para quem se identifica com tudo isso o mais indicado é buscar a origem de sua insegurança, analisando seu histórico de vida e identificando os momentos em que seu valor pessoal foi colocado em dúvida, deixando sempre a sensação que estava errado. Feito isso é importante aos poucos se permitir tomar suas próprias decisões em pequenas situações do dia-a-dia, evitando pedir conselhos ou opiniões para outras pessoas, mas aprendendo a ouvir a si mesmo e reconhecendo acima de tudo seu próprio valor enquanto ser humano 

29 de Setembro – CADA UM NO SEU “QUADRADO”

setembro 29, 2008

Candidatos usam profissão braçal para garantir emprego de vereador

 

Em um país com um presidente que foi metalúrgico, vários iniciantes na política escolheram identificar suas candidaturas com profissões, em geral, braçais. Seja atrás do apoio de seus similares, da simpatia do público ou porque são conhecidos pela atividade que exercem, vários postulantes a vereador pelo Brasil fizeram como os paulistanos Alice Costureira (PRB), Ivan Vigilante (PTB) e Cícero Perueiro (PSB).

  

Exemplos não faltam. Em Guarulhos, há candidatos como Cobrador Zoinho (PSDB), Gilson Cabeleireiro (PRP) e Bambu Eletricista (DEM). Em Diadema, o destaque é Carteiro Chiquinho (PSB).

 

Waldir Serralheiro (PV) afirma ser o pioneiro na estratégia, nas eleições municipais de 1996. “O José Serra era candidato a prefeito e me deu uma força na idéia. Até coloquei as duas primeiras sílabas de serralheiro em outra cor para associar com o sobrenome dele”, explica o político com base na Zona Leste.

 

O curioso é que nesse mesmo ano ele fechou sua serralheria para investir no trabalho comunitário e nos bastidores políticos na subprefeitura da Penha. Os aparelhos para forjar metais ainda estão no fundo do comitê político. “Larguei a profissão, e meus filhos não continuaram, então, está tudo abandonado”, conta posando ao lado do maquinário empoeirado e amontoado.

Já Antônio Vigilante é dos que está atuante em sua atividade, panfletando seus santinhos durante o expediente de rondas pelo Brás e depois do trabalho no bairro em que mora, São Miguel Paulista. E não esconde que seu foco é na categoria: entre seus projetos está criar uma cooperativa de vigilantes, classe que vigia informalmente as ruas, a maioria apitando noite adentro.

 

“Sou muito conhecido, e meus clientes têm muita confiança, afinal, cuido do patrimônio deles. Sabem que sou batalhador e corajoso”, teoriza o candidato.

 

Outro profissional que quer a vereança para defender sua corporação é Geraldinho Passarinheiro (PTN). “Tenho um compromisso com minha categoria: lutar contra essa burocracia estúpida e imensa para criar pássaros”, afirma Geraldinho.

Segundo ele, há candidatos passarinheiros em outras cidades diferentes, para defender os 10 milhões de fanáticos por aves engaioladas e suas penugens. “É preciso força política para fazer frente às restrições e proibições do Ibama, sem bater de frente”, opina, no meio de uma discussão sobre canto de curió com colegas.

 

Se alguns consideram a mendicância uma atividade remunerada, também há um representante no pleito, mesmo que seja só no nome. Mendigo (PMN) declarou para as autoridades eleitorais apenas um bem: a sociedade em uma empresa que tem valor total de R$ 1. Mas Mendigo, na verdade, é o mecânico Antônio José do Nascimento. “Tenho esse apelido porque estou sempre sujo feito um mendigo”, explica o candidato. “Já que não tenho dinheiro para gastar, escolhi um nome para chamar a atenção e mostrar minha campanha modesta”, completa.

Há também entre os postulantes os sósias, mas não vivem monetariamente de sua semelhança com famosos. Querem, porém, o emprego de vereador aproveitando disso. É o caso de Tim Maia (PT), Pellé (PR), Lacraia (PTB) e Seu Madruga (PRP)

 

Este último foi apelidado pela própria filha após os fracassos nas primeiras eleições, com 82 e 180 votos. Depois de associado com a personagem do seriado mexicano, Jonas Fontoura Santana fez mais sucesso, chegando a 2.798 votos na última eleição. “Tem o pessoal que vota em mim pelo trabalho social que faço no meu bairro. E o outro que vota pelo folclore. Assim eu vou acabar eleito”, afirma em sua sétima campanha eleitoral, na qual utiliza um carro caindo aos pedaços, com seu nome e número escritos na lataria.

 

Por seu lado, o candidato Lacraia (PTB) jura que trabalhou com MC Serginho antes de ser substituído por outro dançarino. “Se eu for eleito, a chapa vai esquentar na Prefeitura, vou fazer um fuá por lá”. Ele usa como jingle um funk e já participou de passeata com Geraldo Alckmin, em que o ex-governador passou por uma saia justa. “O locutor perguntou quem seria o prefeito de São Paulo, e rolou um coro de `lacraia, lacraia´. Tenho muito carisma com o povo”, se entusiasma.

29 de Setembro – ASSUNTO COMPLICADO PARA CRIANÇAS

setembro 29, 2008

Livros orientam pais como falar sobre a morte

 

Psicóloga faz uma lista de livros que auxiliam educadores a falar sobre o esse tema com alunos 

 

A partir dos cinco anos, a criança já possui a capacidade de abstrair e assimilar componentes básicos do conceito de morte

 

Falar sobre morte com crianças é complicado. Mesmo os educadores não se sentem à vontade para falar sobre o assunto em sala de aula. Para superar essa barreira, a psicóloga Lucélia Elizabeth Paiva elaborou uma lista de 36 livros infantis que abordam a questão da morte de diversas formas. Em sua tese de doutorado, no Instituto de Psicologia (IP) da USP, Lucélia mostra como as leituras podem ajudar a encarar o luto e as perdas, de frente, sem rodeios. Participaram da pesquisa 54 educadores, de três escolas particulares e duas públicas de São Paulo, que lidam com crianças de até 10 anos. ”Aconteceram três encontros: o primeiro debateu como a morte aparece no contexto escolar e, no segundo, foram apresentados livros sobre o assunto para apreciação”, explica Lucélia. ”Na última reunião foi discutida a viabilidade de se de trabalhar o tema com as obras apresentadas”.

 

De acordo com a psicóloga, o assunto morte aparece entre os alunos das mais diversas formas, inclusive por meio das perdas de parentes, amigos e animais de estimação. ”Ao mesmo tempo que nada é discutido sobre a morte, ela é muito divulgada pela mídia de forma invasiva e pouco elaborada”, aponta. ”Os educadores se mostraram inseguros em falar com as crianças a respeito, com medo de provocar tristeza ou ir de encontro aos valores religiosos e familiares dos alunos”.

 

Lucélia ressalta que a partir dos cinco anos, a criança já possui a capacidade de abstrair e assimilar os três componentes básicos para a aquisição do conceito de morte: universalidade, não-funcionalidade e irreversibilidade. ”Os encontros mostraram a necessidade de um espaço para os educadores discutirem assuntos mais complicados de se abordar com os alunos”, diz. ”O tema da morte não precisa ser ignorado, podendo ser abordado, por exemplo, em aulas de ciências, com livros, e em rodas de conversa com as crianças”, orienta.

 

Livros sugeridos

 

Durante a pesquisa foram apresentados 36 livros, nacionais ou traduzidos, que abordam a morte para o público infantil. ”As abordagens são muito variadas. Há livros que falam sobre velhice, morte de pais, irmãos, avós e ciclo de vida”, descreve a psicóloga. Há títulos que explicam aspectos biológicos e sociais, como os ritos fúnebres, outros com atividades interativas e até alguns com abordagem fantástica, ligada à questão espiritualista. ”Outros tratam o assunto com um certo humor, como A Mulher que Matou os Peixes”, de Clarice Lispector.

 

Apesar da variedade de enfoques, apenas sete livros já eram conhecidos pelos educadores. ”Um exemplo é a obra Os Porquês do Coração, de Conceil C. Silva, que fala sobre a morte de um peixinho de estimação, e que mostra como uma criança lidou com a perda e a tristeza e transformou o desespero da ausência em boas lembranças”, conta Lucélia. ”Uma das professoras disse que já usava o livro, mas para falar sobre os porquês, mesmo que a temática da morte e das perdas fosse tão evidente”.

 

Algumas obras chamaram a atenção pela sutileza que abordam o tema, como Vó Nana (Margaret Wild), Menina Nina (Ziraldo), Eu Vi Mamãe Nascer (Luiz Fernando Emediato) e A Montanha Encantada dos Cisnes Selvagens (Rubem Alves). A pesquisadora aponta que o livro Quando os Dinossauros Morrem, de M. Brown, despertou muito interesse dos educadores. ”Por meio de tiras e quadrinhos, com diálogos de uma família de dinossauros, são mostradas questões como as diferentes formas de morrer”, diz. ”Também são abordados os rituais de despedida, costumes e crenças das diferentes religiões, além de formas de manifestação de sentimentos e o próprio conceito de morte”.

 

Lucélia também indica os livros A História de uma Folha (Leo Buscaglia) e Tempos de Vida (B.Mellonie e R. Ingpen), em que a morte é abordada como parte do ciclo vital. Por Fim, Vovô foi Viajar, de M. Veneza e Cadê Meu Avô, de Lídia Carvalho, apontam para a importância de não enganar a criança ao se contar sobre a morte de alguém”, explica. ”Ela fatalmente saberá que está sendo enganada e poderá ter a sua confiança abalada”.

 

Lucélia observa que a partir da apreciação dos livros, os educadores perceberam ser possível sua utilização com os alunos para discutir e elaborar a questão das perdas e da morte como parte da vida. ”Mais do que um simples método de ensino a ser aprendido, essa experiência deve ser sentida, vivenciada e experimentada, conclui.

 

Fonte: Agência USP de Notícias. A pesquisa foi orientada pela professora Maria Julia Kovács. Outras informações: (11) 9962-9658 ou pelo e-mail lucélia_paiva@uol.com.br